Novidades do setor » Artigos

Diferentes conceitos de urgência e emergência

urgência e emergência

Existem diferenças de conceito entre urgência e emergência. A emergência é quando há ameaça iminente à vida, sofrimento intenso ou risco de lesão permanente. As situações de emergência requerem intervenção médica de imediato.

Já na urgência, a assistência rápida é necessária para evitar o agravamento da situação clínica do indivíduo. Costuma caracterizar casos em que a atenção é urgente, mas com prazo um pouco maior, na fase inicial de atendimento, para que sejam avaliadas as necessidades do paciente.

Exemplos de emergência

Parada cardiorrespiratória, fraturas expostas, hemorragias muito intensas e infartos, que podem causar danos irreversíveis e até o óbito.

Exemplos de urgência

  • Dores abdominais agudas e cólicas renais, aumento da pressão arterial ou do índice de glicose e hipotermia.
  • Assim que chega à unidade de pronto-atendimento ou pronto-socorro, o paciente passa por uma avaliação, uma triagem, que determina se o seu estado clínico é de emergência ou urgência.
  • Nesta etapa, os profissionais de saúde identificam os casos que demandam atendimento prioritário. Situações mais graves têm prioridade e, possivelmente, demandarão cuidados especiais, procedimentos diagnósticos imediatos, internação clínica ou cirúrgica e até transferência para uma unidade mais equipada para seu caso.
  • Na Saúde Suplementar, casos de urgências e emergências ocasionadas por acidente pessoal (queimaduras, quedas e outras) estão cobertas após 24 horas da assinatura do contrato do plano de saúde.

Regras de carência

  • Todos os planos comercializados na vigência da Lei 9.656/98 preveem direito ao atendimento de urgência e emergência após 24 horas de vigência do contrato.
  • Em alguns casos, a cobertura é integral. Isto significa que, depois de prestados os primeiros socorros, se houver necessidade, o beneficiário terá direito a internação, cirurgia, Unidade de Terapia Intensiva ou a outros recursos que são exclusivos da cobertura hospitalar. Um exemplo é acidente pessoal, mas apenas se o plano contemplar a cobertura hospitalar.
  • Em outros casos, a cobertura está limitada a até as primeiras 12 horas de atendimento no pronto-socorro. Isto significa que a cobertura cessa no momento em que se detectar a necessidade de cirurgia, internação clínica, parto ou qualquer atendimento que requeira recursos exclusivos da cobertura hospitalar.
  • Em alguns casos, o atendimento de urgência e emergência está limitado as primeiras 12 horas de cobertura.

Isso ocorre nos:

  • Contratos individuais e coletivos que contemplem apenas a cobertura ambulatorial.
  • Contratos individuais e coletivos por adesão, que contemplem a cobertura hospitalar, com ou sem obstetrícia, mas não tenham cumprido a carência para internação ou parto.
  • Contratos coletivos empresariais com menos de 30 participantes, que contemplem a cobertura hospitalar, com ou sem obstetrícia, mas não tenham cumprido a carência para internação ou parto.
  • Nestes casos, se optar por permanecer em hospital particular após o prazo de até 12 horas, o beneficiário deverá arcar com todas as despesas para continuidade do tratamento. Caso não tenha recursos para permanecer em hospital privado, a operadora de saúde custeará sua remoção para um hospital público.
  • Se o beneficiário optar pela remoção para outro hospital privado ou não puder ser removido, a operadora está desobrigada de qualquer ônus ou responsabilidade após as 12 horas de atendimento.

 

Compartilhar

Vídeos

Saúde Sem Complicação

A Tomada de Decisão sobre os Cuidados com a Sua Saúde

A Judicialização | Ligados no Plano Epi. 5 – Websérie

Notícias / Artigos

Você já ouviu falar em Mutualismo?

9 de julho de 2019

Quem utiliza planos de saúde precisa saber o que é Mutualismo e sua importância na sustentabilidade da Saúde Suplementar!

+ Saiba mais

O QUE SÃO AUTORIZAÇÃO PRÉVIA E PORTA DE ENTRADA DAS OPERADORAS DE SAÚDE?

26 de junho de 2019

Confira o destaque da semana e informe-se sobre a razão da existência dessas práticas!

+ Saiba mais

Judicialização da saúde: causas, consequências e soluções

17 de junho de 2019

Segundo o Ministério da Saúde, gastos com demandas judiciais somaram mais de R$5 bilhões, em um período de oito anos.

+ Saiba mais