Novidades do setor » Artigos

Doação de sangue: ato voluntário pela vida

doação de sangue

Ter entre 16 e 69 anos, boa saúde e pesar no mínimo 50 quilos são requisitos básicos para ser doador de sangue

A doação de sangue é um ato nobre e essencial para salvar vidas de acidentados e pessoas enfermas que necessitam de transfusão. Para evitar o desabastecimento, hospitais e bancos de sangue dependem da ação de uma rede de doadores e de familiares de pacientes internados, que, por sua vez, mobilizam seus amigos.

Para ser um doador, no entanto, o voluntário precisa cumprir determinados critérios estipulados por normas técnicas do Ministério da Saúde, que visam à proteção do doador e à segurança de quem vai receber o sangue. Por isso, é essencial que o candidato à doação seja sincero ao passar suas informações ao entrevistador.

Requisitos básicos para doar sangue:

  • Apresentar documento de identidade oficial com foto: RG, carteira de trabalho, certificado de reservista ou carteira do conselho profissional (original ou cópia autenticada);
  • Estar saudável;
  • Ter entre 16 e 69 anos. Jovem com idade entre 16 e 17 anos, somente com consentimento formal, por escrito, do responsável legal;
  • Pesar no mínimo 50 Kg;
  • Estar alimentado, porém sem ingerir alimentos gordurosos nas últimas 3 horas.

Algumas situações ou condições de saúde podem impedir, temporária ou definitivamente, a doação de sangue. Atenção aos exemplos:

Impedimentos temporários:

  • Gripes ou resfriados associados à temperatura corporal maior ou igual a 38º C (aguardar duas semanas sem sintomatologia);
  • Gravidez (todo o período);
  • Pós-parto (só 90 dias após parto normal ou 180 dias após a cesariana);
  • Amamentação (resguardar, se o parto ocorreu há menos de 12 meses);
  • Ingestão de bebida alcoólica (não ingerir nas 12 horas anteriores à doação);
  • Ter feito tatuagem nos últimos 12 meses (só após este período);
  • Pessoas expostas a doenças transmissíveis pelo sangue, como AIDS, Hepatite, Sífilis e Doença de Chagas (aguardar 12 meses);
  • Usuários de drogas; aqueles que tiveram relacionamento sexual com parceiro desconhecido ou eventual, sem uso de preservativos (aguardar 12 meses);
  • Portador de doença sexualmente transmissível – DST (até 12 meses após a cura);
  • Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins são estados onde há alta prevalência de malária (quem esteve nesses estados deve aguardar 12 meses antes de doar).

Impedimentos definitivos:

  • Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;
  • Usuário de drogas ilícitas injetáveis;
  • Portador de Malária;
  • Quem teve hepatite viral após os 11 anos de idade; (em alguns casos, pessoas infectadas pelo vírus da Hepatite A poderão ser doadoras após a cura).

O voluntário deve ficar atento aos intervalos entre cada coleta:

O homem poderá fazer quatro doações de sangue no período de 12 meses, com intervalo mínimo de 60 dias. À mulher, é permitido fazer três doações com intervalo mínimo de 90 dias.

Informe-se sobre como doar:

Muitos precisam de solidariedade. Quem está apto a doar sangue pode ajudar a salvar vidas. Para consultar informações sobre o tema, basta acessar o portal da Fundação Pró-Sangue, que divulga uma relação de endereços dos hemocentros no país. Saiba mais clicando aqui: http://www.prosangue.sp.gov.br/

Fontes:

Hemorio

Fundação Pró-Sangue

 

Compartilhar

Vídeos

A Prevenção contra o Desperdício | Ligados no Plano Epi. 6 – Websérie

2º Fórum da Saúde Suplementar

Pacto Intergeracional

Notícias / Artigos

Você já ouviu falar em Mutualismo?

9 de julho de 2019

Quem utiliza planos de saúde precisa saber o que é Mutualismo e sua importância na sustentabilidade da Saúde Suplementar!

+ Saiba mais

O QUE SÃO AUTORIZAÇÃO PRÉVIA E PORTA DE ENTRADA DAS OPERADORAS DE SAÚDE?

26 de junho de 2019

Confira o destaque da semana e informe-se sobre a razão da existência dessas práticas!

+ Saiba mais

Judicialização da saúde: causas, consequências e soluções

17 de junho de 2019

Segundo o Ministério da Saúde, gastos com demandas judiciais somaram mais de R$5 bilhões, em um período de oito anos.

+ Saiba mais