Novidades do setor » Eventos

FenaSaúde propõe reformulação na Saúde Suplementar

1º Forúm de Saúde Suplementar

Propostas foram definidas no encerramento do 1º Fórum da Saúde Suplementar, evento com objetivo de debater os desafios que o setor precisa superar e fixar metas.

O 1º Fórum da Saúde Suplementar, promovido pela Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), estabeleceu uma agenda para a transformação positiva do setor no Brasil. As propostas visam à conquista de mais equilíbrio e garantia de sustentabilidade para a Saúde Suplementar, envolvendo todos os entes da cadeia, como as operadoras de planos de saúde, os prestadores de serviços, os órgãos reguladores, o Governo, a sociedade, e beneficiando, principalmente, os consumidores de planos de saúde.

“O Fórum da Saúde Suplementar superou em muito as expectativas que tínhamos. Os sentimentos que tenho, depois de produzirmos tantas ideias, são de pressa e de como proceder para colocar em prática todas as iniciativas indicadas”, afirmou Marcio Coriolano, Presidente da FenaSaúde.

Mas, destacou ele, nenhuma dessas propostas será implementada sem a participação de todos os agentes do setor, principalmente os consumidores. “Não pode ser uma ideia privada da FenaSaúde. Deve ser compartilhada com outros fóruns, entidades e representações, para acelerar o aprofundamento da discussão. Temos uma tarefa importante, que é convencer a sociedade de que a Saúde Suplementar precisa de ajustes profundos para que o segmento se mantenha sustentável e com perspectivas de crescimento”, observou.

As propostas defendidas pela FenaSaúde e apresentadas no encerramento do Fórum da Saúde Suplementar estão distribuídas em três linhas de ação: Informação como Agente de Mudança; Organização da Assistência e Remuneração; Preservando o Acesso e Diversidade de Produtos. No total, foram elencadas 11 ações concretas – distribuídas entre as dimensões indicadas –, que podem começar a ser implementadas de imediato. A FenaSaúde criará grupos de trabalho para que as ações propostas para cada uma das linhas sejam postas em prática, num movimento que, para ser bem-sucedido, exigirá coordenação do setor privado com o poder público, em especial os órgãos reguladores.

No tópico Informação como Agente de Mudança, as ações propostas são: Reforçar sistemas de apoio à divulgação de informações de custos e preços dos serviços assistenciais, de forma a ter informação rigorosamente técnica, confiável, auditada, comparável e clara para o entendimento e uso dos consumidores; Apurar indicadores de tempo médio de internação hospitalar e reinternação (readmissão em 30 dias por qualquer causa) como primeiras proxys para avaliar qualidade do atendimento; Apoiar a disponibilização do CID de forma a melhor conhecer o perfil da população da saúde suplementar, garantida a privacidade/confidencialidade de informações; Apoiar o uso de ferramentas de big data e analytics para, por exemplo, desenvolvimento de estudos epidemiológicos, preditivos e de gerenciamento de crônicos.

Na dimensão Organização da Assistência e Remuneração, as ações propostas são: Reformular o modelo de assistência a saúde suplementar; Desenvolver modelo de assistência à saúde suplementar, com foco na atenção integrada aos idosos portadores de doenças crônicas, em que o cuidado seja coordenado e organizado hierarquicamente; Avaliar a viabilidade de as OPS integrarem e compartilharem rede assistencial para idosos, iniciando com projeto piloto em Copacabana; Desenvolver infraestrutura de apoio ao controle de acesso, a fim de     evitar o absenteísmo e desperdício; Adoção de novas formas de remuneração, que alinhem incentivos financeiros com as melhores práticas.

As questões ligadas ao tema Preservando o Acesso e Diversidade de Produtos estimulam o consumo consciente do benefício e a ampliação dos perfis de produtos disponíveis para os beneficiários. As ações são: Desenvolver incentivos que estimulem o uso adequado dos planos, gerando, para o beneficiário, interesse na gestão de saúde e finanças pessoais; Viabilizar novos produtos adaptáveis à situação brasileira e que possibilitem um maior leque de escolhas para as pessoas e empresas (Produtos com franquias; VGBL saúde e oferecimento de produtos com acumulação; Produtos regionalizados compatíveis com as redes existentes;Parcerias Público-Privadas: central de compras, avaliação de tecnologias, conscientização e promoção da saúde.).

Abaixo a listagem completa de ações propostas:

Informação como Agente de Mudança

  • Reforçar sistemas de apoio à divulgação de informações de custos e preços dos serviços assistenciais, de forma a ter informação rigorosamente técnica, confiável, auditada, comparável e clara para o entendimento e uso dos consumidores.
  • Apurar indicadores de tempo médio de internação hospitalar e reinternação (readmissão em 30 dias por qualquer causa) como primeiras proxys para avaliar qualidade do atendimento.
  • Apoiar a disponibilização do CID de forma a melhor conhecer o perfil da população da saúde suplementar, garantida a privacidade/confidencialidade de informações.
  • Apoiar o uso de ferramentas de big data e analytics para, por exemplo, desenvolvimento de estudos epidemiológicos, preditivos e de gerenciamento de crônicos. Organização da Assistência e Remuneração
  • Reformular o modelo de assistência a saúde suplementar.
  • Desenvolver modelo de assistência à saúde suplementar, com foco na atenção integrada aos idosos portadores de doenças crônicas, em que o cuidado seja coordenado e organizado hierarquicamente.
  • Avaliar a viabilidade de as OPS integrarem e compartilharem rede assistencial para idosos, iniciando com projeto piloto em Copacabana.
  • Desenvolver infraestrutura de apoio ao controle de acesso, a fim de     evitar o absenteísmo e desperdício.
  • Adoção de novas formas de remuneração, que alinhem incentivos financeiros com as melhores práticas. Preservando o Acesso e Diversidade de Produtos
  • Desenvolver incentivos que estimulem o uso adequado dos planos, gerando, para o beneficiário, interesse na gestão de saúde e finanças pessoais.
  • Viabilizar novos produtos adaptáveis à situação brasileira e que possibilitem um maior leque de escolhas para as pessoas e empresas:

 

– Produtos com franquias;

– VGBL saúde e oferecimento de produtos com acumulação;

– Produtos regionalizados compatíveis com as redes existentes;

– Parcerias Público-Privadas: central de compras, avaliação de tecnologias, conscientização e promoção da saúde.

Compartilhar

Vídeos

2º Fórum da Saúde Suplementar

Pacto Intergeracional

Reajuste no Plano de Saúde | Ligados no Plano Epi. 3 – Websérie

Notícias / Artigos

Telemedicina: entenda a regulamentação do atendimento médico pela Internet

15 de fevereiro de 2019

Em 13 de dezembro de 2018, o Conselho Federal de Medicina – CFM, órgão oficial que regula a atividade dos

+ Saiba mais

Cidadania em ação: saiba mais sobre a RESOLUÇÃO 439 de 2018 da ANS

5 de fevereiro de 2019

Entenda a norma administrativa que modifica o processo de atualização periódica do rol de procedimentos e eventos em saúde suplementar.

+ Saiba mais

Como Entender o Aumento das Mensalidades de Planos de Saúde | Versão 3

29 de janeiro de 2019

Nós, representantes das operadoras, reconhecemos as dificuldades dos brasileiros para contratar e manter planos de saúde. A questão é: O que

+ Saiba mais