Novidades do setor » Notícias

Pele requer cuidados redobrados no verão

Cuidados da pele

Com a chegada do verão e temperaturas cada vez mais altas, é fundamental evitar a exposição aos raios solares sem proteção. Em casos extremos, a falta de cuidados pode ocasionar problemas de saúde, como lesões permanentes e câncer de pele, muitas vezes negligenciados por seus próprios portadores.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o tipo de tumor mais frequente no Brasil é o de pele, que representa 25% dos cânceres diagnosticados em todas as regiões do país. A radiação ultravioleta é o maior agente causador.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) informa que somente o exame clínico realizado por médico especializado ou uma biópsia podem diagnosticar um câncer da pele, mas é importante estar atento aos sintomas. São eles:

  • Uma lesão na pele de aparência elevada e brilhante, translúcida, avermelhada, castanha, rósea ou multicolorida, com crosta central e que sangra facilmente;
  • Uma pinta preta ou castanha que muda sua cor, textura, torna-se irregular nas bordas e ganha tamanho;
  • Manchas ou feridas que não cicatrizam, continuam a crescer e apresentam coceira, crostas, erosões ou sangramento.

Grupos mais atingidos:

Há mais incidência de câncer de pele acima dos 40 anos de idade. Pessoas com pele clara, sensíveis à ação dos raios solares, ou com doenças cutâneas prévias são as principais vítimas. A doença é relativamente rara entre crianças e negros, com exceção daqueles já portadores de doenças cutâneas anteriores.

Os tipos de câncer de pele são:

  •  Pele Melanoma

Segundo o Inca, o melanoma cutâneo é um tipo de câncer de pele que tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) e tem predominância em adultos brancos.

Embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil e corresponda a 25% de todos os tumores malignos registrados no País, o Melanoma representa apenas 4% das neoplasias malignas do órgão, apesar de ser a mais grave devido à alta possibilidade de metástase.

Indicadores mais atuais do Inca:

  • Estimativa de novos casos: 5.890, sendo 2.960 homens e 2.930 mulheres (2014)
  • Número de mortes: 1.522, sendo 893 homens e 629 mulheres (2012)
  • Pele não Melanoma

De acordo com o Inca, é o câncer mais frequente no Brasil e corresponde a 25% de todos os tumores malignos ocasionados no país. Tem alto percentual de cura, se detectado precocemente. Entre os tumores de pele, o não Melanoma é o de maior incidência e mais baixa mortalidade.

Indicadores mais atuais do Inca:

Estimativa de novos casos: 182.130, sendo 98.420 homens e 83.710 mulheres (2014)

Número de mortes: 1.646, sendo 961 homens e 685 mulheres (2012)

Saiba como prevenir o câncer de pele

Primeiramente, é importante se conscientizar de que a pele é um órgão que requer proteção. Muitos associam o bronzeamento a uma atitude saudável, mas qualquer tentativa de mudar a tonalidade natural é uma agressão à saúde. O banho de sol nas primeiras horas da manhã é o mais saudável e indicado para assegurar a produção de vitamina D, que é essencial ao organismo.

Para prevenir o câncer de pele e outras lesões provocadas por raio ultravioleta, é importante usar chapéus, guarda-sol, óculos escuros e filtro solar na exposição ao sol, além de evitar horários em que a radiação é mais intensa: das 10h às 16h.

Em grandes altitudes e ambientes com superfícies pintadas de branco, que refletem os raios solares, também é necessário haver precaução.

Fontes:

Inca

Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)

 

Compartilhar

Vídeos

Gravidez no Plano de Saúde | Ligados no Plano Epi. 2 – Websérie

Pacto Intergeracional

Reajuste

Notícias / Artigos

Você já ouviu falar em Mutualismo?

9 de julho de 2019

Quem utiliza planos de saúde precisa saber o que é Mutualismo e sua importância na sustentabilidade da Saúde Suplementar!

+ Saiba mais

O QUE SÃO AUTORIZAÇÃO PRÉVIA E PORTA DE ENTRADA DAS OPERADORAS DE SAÚDE?

26 de junho de 2019

Confira o destaque da semana e informe-se sobre a razão da existência dessas práticas!

+ Saiba mais

Judicialização da saúde: causas, consequências e soluções

17 de junho de 2019

Segundo o Ministério da Saúde, gastos com demandas judiciais somaram mais de R$5 bilhões, em um período de oito anos.

+ Saiba mais